Pesquisa por data

June 2011
M T W T F S S
« May    
 12345
6789101112
13141516171819
20212223242526
27282930  

Quanto tempo devem durar meus CDs e DVDs?

Tenho um número razoável de CDs de música e uns poucos DVDs, e espero curtir todos por um bom tempo ainda. Os LPs já se foram…

Tenho também alguns CDs e DVDs com programas e dados (backup). Desde quando adquiri meu primeiro computador pessoal tenho a preocupação em preservar meus dados pessoais. No início da década de 90 copiava meus arquivos mais críticos para disquetes (de 5,25 polegadas) e continuo fazendo isso (copiando os arquivos críticos, não mais para disquetes, é claro). Hoje utilizo pen drives e discos externos para meus backups, mas ainda tenho muitas cópias de arquivos em CDs e DVDs gravados até 2009. Espero não precisar, mas ainda conto com estes CDs e DVD para recuperar dados.

Várias considerações devem ser feitas para garantir a disponibilidade dos seus arquivos mais importantes:

  • quais são os arquivos críticos?
  • com qual frequência deve-se fazer cópias?
  • o que é melhor, gravar em pen drives, em CDs, em DVDs, em disco externo, em …?


CD/DVD
Vou comentar sobre esta última questão. Encontrei recentemente material novo (pelo menos para mim) sobre este assunto. No The X Lab há um artigo sobre longevidade de media ótica. Logo de início, após apresentar perguntas típicas que eles recebem — qual a marca de CD/DVD que devo comprar? quanto tempo dura um CD ou DVD? se faço backup das minhas fotos em um CD ou DVD, este backup vai durar para sempre? — eles apresentam algumas conclusões:

  • a durabilidade de media ótica é desconhecida e talvez continue desconhecida;
  • o cuidado no manuseio e no armazenamento é que vão determinar a vida útil de seus backups em meio ótico.

O artigo fornece um link para um guia prático do NIST para armazenamento e cuidados no armazenamento de CDs e DVDs, o que transcrevo a seguir.

O que fazer:

  1. manuseie os discos pela borda ou pelo buraco no meio;
  2. use uma marcador com ponta de feltro e tinta permanente (não solvente) para rotular os discos;
  3. mantenha limpo o disco;
  4. armazene discos na posição vertical, em estojos plásticos específicos para CDs e DVDs;
  5. coloque os discos de volta nos estojos logo após o uso;
  6. deixe os discos em suas embalagens (ou estojos) para minimizar os efeitos de mudanças ambientais;
  7. abra uma embalagem de disco gravável somente quando você estiver pronto para gravar;
  8. armazene os discos em um ambiente frio, escuro e seco, onde o ar seja livre de poeira
  9. remova a sujeira, material estranho, impressões digitais, manchas e líquidos limpando com um tecido de algodão limpo, fazendo uma linha reta do centro até a borda;
  10. use detergentes especiais para CDs/DVDs ou álcool isopropílico para remover a sujeira mais resistente (que não sai usando apenas um pano limpo);
  11. verifique a superfície do disco antes de gravar.

O que não fazer:

  1. tocar a superfície refletiva do disco;
  2. curvar (dobrar) o disco;
  3. usar etiquetas adesivas;
  4. armazenar horizontalmente os discos por um prolongado período (anos);
  5. abrir uma embalagem de disco gravável sem estar pronto para gravar;
  6. expor os discos a calor extremo ou alta umidade;
  7. expor os discos a variações extremas de temperatura ou umidade;
  8. expor prolongadamente os discos à luz solar ou outra fonte de raios ultravioleta;
  9. escrever ou marcar do lado dos dados do disco (onde o laser lê o disco);
  10. limpar o disco com movimentos circulares.

Especialmente em relação a CDs:

  1. não arranhe o lado do rótulo;
  2. não use uma caneta esferográfica, lápis, ou marcador fino para escrever no disco;
  3. não utilize marcadores que contêm solventes;
  4. não tente retirar ou reposicionar adesivos (rótulos).

Recomendações para armazenamento de longo prazo:

  • o uso de discos graváveis (R) com a superfície reflexiva dourada é mais recomendado;
  • CDs e DVDs devem ser armazenados em ambientes com temperatura entre 4 e 20oC e umidade relativa entre 20 e 50%;
  • para armazenamento a longo prazo são ideais a temperatura de 18oC e umidade relativa de 40%;
  • temperatura e umidade relativa mais baixas são recomendadas para prazos extra longos de armazenamento;

O artigo do The X Lab ainda adiciona algumas observações. Por exemplo, não usar discos regraváveis para armazenar backups a longo prazo; ao trocar de computador, não descartar o antigo antes de testar seus discos de backup no novo computador; tenha várias cópias de seus backups, preferencialmente guardando-as em locais (endereços) diferentes.

Quanto à vida útil de CDs e DVDs, como já foi dito acima, as estimativas variam muito. A Optical Storage Technology Association publicou as seguintes estimativas:

  • expectativa de vida (anos) antes de gravar:
    CD-R e CD-RW ==> 5 a 10;
    DVD±R e DVD±RW ==> não especificado;
  • expectativa de vida (anos) após gravar (fornecida pelo fabricante):
    CD-R ==> 50 a 200;
    CD-RW ==> 20 a 100;
    DVD±R ==> 30 a 100;
    DVD±RW ==> 30;
  • tanto para CD-RW quanto DVD±RW é estimado o máximo de 1.000 regravações.

De qualquer forma, não devemos esquecer que os CDs e DVDs já estão obsoletos, apesar de ainda serem muito utilizados.

O surgimento de novas tecnologias traz à consideração novos padrões de vida útil, compatibilidade e migração. Em setembro de 2012, a Hitachi anunciou um sistema de armazenamento de dados em vidro (quartzo) que deve durar centenas de milhões de anos. Foi verificado que neste sistema o vidro é capaz de reter os seus dados mesmo depois de ser aquecido a 1000 °C durante mais de duas horas, e é impermeável à água, radiação, e à maioria de produtos químicos. Enquanto o vidro não quebrar, os dados serão preservados. Esta nova tecnologia estará disponível comercialmente em 2015.

Quanto às outras questões lá do início deste artigo, os arquivos que considero críticos são:

  • fotos, filmes e arquivos de áudio (pessoais);
  • arquivo mestre de senhas (que mantenho com o Gorilla);
  • arquivos referentes às declarações do imposto de renda;
  • catálogos de endereços/telefones, bookmarks, etc;
  • pacotes de instalação de programas críticos, como o Gorilla, citado acima;
  • arquivos cujo conteúdo criei ou alterei, como meu CV, programas, etc.

Faço cópias quando me dá na telha. Neste caso, meu critério é mesmo muito pessoal. Não tenho uma rotina, minhas cópias são feitas quando considero que há bastante alterações desde a última cópia ou alterações importantes, mesmo que poucas. É claro, faço cópias também antes de reinstalar ou fazer um upgrade de sistema operacional. Tudo isto considerado, acabo fazendo cópias com uma frequência que pode ser diária ou, em outro extremo, semestral.

Comments are closed.